Especialistas descobrem padrões de conectividade cerebral exclusivos para crianças com autismo

Um novo estudo na Scientific Reports sugere que crianças diagnosticadas com transtorno do espectro autista (TEA) têm padrões de conectividade distintos nas vias da substância branca de seus cérebros

Essa descoberta foi feita depois que os pesquisadores usaram exames de ressonância magnética ponderados por difusão para comparar os padrões de conectividade cerebral entre indivíduos com TEA e aqueles com transtorno do desenvolvimento da coordenação (TCD) – uma condição que afeta o controle motor e frequentemente ocorre junto ao TEA. Especialistas envolvidos na pesquisa notaram que estudos anteriores ligaram diferenças na substância branca aos sintomas de comunicação social do TEA, quando as alterações podem ter sido realmente atribuídas ao DCD. 

“Nossa equipe descobriu que muitas descobertas de pesquisas anteriores provavelmente não refletem os principais sintomas do autismo, mas são mais provavelmente um reflexo do DCD co-ocorrente”, explicaram a autora sênior Lisa Aziz-Zadeh da University of Southern California e seus colegas. 

Os autores acrescentaram que é importante diferenciar entre os dois porque isso pode potencialmente alterar a maneira como os sintomas são administrados em pessoas afetadas por uma ou ambas as condições. 

Para o estudo, 60 crianças com idades entre 8 e 17 anos foram divididas em três grupos – aqueles com TEA, aqueles com provável DCD e um grupo de indivíduos com desenvolvimento típico (DT). Cada criança foi submetida a ressonância magnética ponderada em difusão, além de completar avaliações sociais e comportamentais. 

A equipe descobriu que muitos dos padrões de conectividade observados no TEA também se sobrepõem ao DCD, mas identificaram assinaturas específicas apenas do TEA. Eles destacaram três vias específicas da substância branca exclusivas do TEA: as fibras longitudinais e as fibras u do cíngulo médio, a comissura menor/anterior do fórceps do corpo caloso e o pedúnculo cerebelar médio esquerdo. Em comparação, o grupo DCD exibiu diferentes padrões de substância branca nos tratos córtico-espinhal esquerdo e córtico-pontino. 

Os achados no grupo TEA também foram associados à gravidade de seus sintomas. 

“Esses resultados mostram que podemos usar imagens avançadas para distinguir entre os sintomas sociais característicos do autismo e outros sintomas relacionados ao motor no nível da anatomia do cérebro”, escreveram os autores. 

Os pesquisadores enfatizaram que o TEA é um espectro de sintomas que a anatomia sozinha não pode explicar. No entanto, eles sugeriram que suas descobertas oferecem mais clareza na compreensão da base biológica do TEA.

FONTE: https://healthimaging.com

No items found.
No items found.
EDITAL
Compartilhe nas redes:
Administrativo

Av. Praia de Belas 2124 | 1203
Porto Alegre | RS

+55 51 3231.1403

Newsletter

Assine nossa newsletter para acompanhar as novidades.
© 2023 | Serviço Integrado de Radiologia
Contact us
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.